Por que agricultores já estão vendendo a soja que só vai ser colhida em 2022

 Por que agricultores já estão vendendo a soja que só vai ser colhida em 2022

Dólar valorizado e apetite chinês estimularam movimento inédito no mercado. Grão é o principal produto de exportação do Brasil

O agronegócio brasileiro vive um bom momento dentro e fora da porteira em 2020. Com exportações aquecidas, é o único setor da economia que tem conseguido bom desempenho em meio à pandemia do novo coronavírus.

Reflexo disso está na soja, principal produto do agro brasileiro e item mais exportado pelo país. E com dólar valorizado e grande procura da China, agricultores estão antecipando a venda do grão que só vai ser colhido no começo de 2022, um fato inédito.

O Brasil se prepara agora para o plantio da safra 2020/21 e, no caso da soja, a colheita está prevista para o início do ano que vem. Isso significa que os agricultores estão antecipando as vendas do produto de uma safra à frente.

A avaliação de especialistas é de que 3 fatores permitiram esse cenário inédito:

  • Primeira vez que indústrias aceitaram comprar o grão tão cedo;
  • Preços atrativos por conta do dólar valorizado;
  • Alta demanda da China, maior compradora mundial.

Especialista apontam pequenos negócios ocorrendo no Centro-Oeste e no Paraná. Segundo o Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea), pelo menos 1% da soja de 2022 já foi negociada. Essa venda normalmente ocorreria no início do ano que vem.

“O preço está muito bom, nós nunca tivemos um ano tão bom como 2020 para preços e, com esse câmbio favorável (para exportação), a gente já consegue também bons preços lá na frente”, explica Luiz Fernando Gutierrez, analista da consultoria Safras & Mercado.

O real desvalorizou mais de 30% em relação ao dólar em 2020. Isso deixa o produto brasileiro mais barato no mercado internacional. Além disso, o Brasil é referência na produção de soja, sendo o maior produtor e exportador mundial.

Outro fator, explica Bartolomeu Braz, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), é que essa é a primeira vez em que os agricultores conseguem fazer uma negociação tão antecipada pelo grão.

“Isso mostra o planejamento e a credibilidade que o produtor rural conseguiu. Já se tentava fazer isso antes e não era possível. Nós conquistamos isso mostrando que somos sustentáveis e que respeitamos nossos clientes”, afirma.

Ainda de acordo com Braz, o dinheiro das negociações está sendo utilizado para a compra de insumos da lavoura, que são cotados em dólar. É uma tática para tentar diminuir os custos de produção.

Porém, vendas tão aceleradas – tanto agora quanto nas negociações futuras – deixaram a soja mais cara no mercado interno e, com isso, indústrias começam a importar o grão de países vizinho por um preço menor por causa do custo logístico (normalmente são empresas que ficam perto da fronteira).

Outro reflexo é que a baixa oferta de soja fez com que o governo tivesse que rever os planos para o biodiesel no país (leia mais abaixo).

Apetite chinês

Para Ana Luiza Lodi, analista de mercado da consultoria StoneX, a China vem buscando mais soja no exterior para recompor estoques e se preparar para o aumento do rebanho de porcos após a peste suína africana matar milhares de animais no país – o farelo do grão é usado como ração.

“Além disso, com a pandemia, a gente viu uma preocupação da China com a ruptura da cadeia logística, como portos pararem de funcionar. A China e outros países se adiantaram nas compras, tanto que as exportações cresceram muito nesses 7 meses do ano”, explica.

Gutierrez aponta também para uma preparação da China para uma possível segunda onda de guerra comercial contra os Estados Unidos. Seria uma forma de os chineses terem mais grão estocado sem depender dos americanos.

Fonte: G1

Raphaela Vitiello

Related post

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.